A Secretaria Municipal de Educação aderiu à parceria com o SEBRAE para desenvolver nas unidades escolares o projeto Jovens Empreendedores Primeiros Passos (JEEP), que tem como objetivo ensinar o empreendedorismo para os alunos desenvolverem habilidades cada vez mais valorizadas na sociedade atual, como autonomia, capacidade de se adaptar a situações novas e criar soluções. A iniciativa começou a ser aplicada, no ano passado, em nove escolas da rede e mostra resultados significativos. Como é o caso da Escola Municipal Barão do Rio Branco. Na quarta-feira (17), alunos do 9º ano colocaram em prática as lições que aprenderam em sala de aula. Eles promoveram o lançamento da Feira do Empreendedor 2019, com a venda de ecobags (sacola ecológica) customizadas e produzidas por eles mesmos. A alegria ao criar o próprio negócio era visível no olhar de cada um. A iniciativa ainda melhorou o comportamento deles em sala de aula e o desenvolvimento do aprendizado em outras disciplinas, como português e matemática.
A subsecretária Pedagógica, Tatiana Várzea, foi conferir de perto a culminância do projeto, acompanhada da assessora do Departamento de Educação Básica (DEB), Janine Mello; da assessora Pedagógica, Ângela Muchelli; e da diretora do Departamento de Programas e Projetos Educacionais (DPPE), Arlene Cavalini, e ficou encantada com o comprometimento dos alunos. “Esse é um projeto que atendeu as nossas expectativas. A intenção é ampliá-lo na rede. A motivação e a transformação dos alunos são visíveis. O aprendizado passa a ser mais significativo porque eles participam de todo o processo. Decidem o que querem fazer; formam um time; dividem as tarefas. Enfim, é um universo que abrange questões que vão desde o planejamento à organização estratégica. Outra vantagem é que o conhecimento em empreendedorismo permite que os jovens aprendam a se relacionar com as finanças e com as oportunidades de vida — como a tomada de decisão e estratégia”, explicou a subsecretária.
De acordo com a metodologia do SEBRAE, as aulas ministradas oferecem a possibilidade de criar e promover o próprio negócio. O objetivo é realizar uma proposta pedagógica capaz de estimular o desenvolvimento de competências essenciais que aproximem o cotidiano escolar do mundo dos negócios, fomentando o empreendedorismo e proporcionando a sua prática.
Para desenvolver o projeto, o SEBRAE promove uma formação com os professores da rede para que eles apliquem a metologia em sala de aula, por meio de material didático (livros e vídeo).
De acordo com a professora de português, Valdete Bettini, após o treinamento dos educadores, o ensino em sala de aula começou em março deste ano e o resultado foi além do esperado. “O envolvimento de todos foi muito grande. Os alunos participaram desde o planejamento do negócio à captação de recursos até chegar ao produto final. Criamos, inclusive uma rifa para angariar recursos para a compra do material para confeccionar as bolsas. O dinheiro arrecadado com a venda será revertido para financiar um passeio para eles. Esse trabalho é tão gratificante que melhorou até o comportamento dos alunos. Um deles, por exemplo, era muito indisciplinado, mas se engajou ao projeto de tal forma que passou a ser o mais participativo. Esse é um caminho que a escola realmente deve valorizar e investir. Além de educar, estamos preparando-os para o futuro”, disse a professora, ao lado da dirigente de turno, Silvia Neves, que se dedicou em ensinar a customização das bolsas; e do orientador educacional, Renan Saldanha, que, além de ensinar a parte teórica, organizou com os alunos as peças publicitárias para divulgar as ecobags.
Outro aluno que se destacou no projeto foi Cristhyan da Silva, de 16 anos. Empreendedor nato, ele, que decidiu improvisar uma banca em frente a sua casa para comercializar doces e acessórios para celular, contou que o curso foi essencial para expandir o seu conhecimento. “Eu realmente me envolvi bastante. Gosto de vender e me preocupo sempre com o ponto de vista do cliente para atendê-lo da melhor maneira. Aprendi coisas aqui que vão ajudar a me organizar melhor e a calcular os custos dos materiais para eu ter lucro, sem superfaturar.”, explicou o jovem visionário, que sonha em ser um empresário.  “Essa inciativa traz um ganho muito grande para a comunidade escolar e local. Os alunos recebem o apoio da escola, além da dedicação e vontade de fazer a diferença dos professores, que buscam desenvolver autonomia em si e nos alunos, tornando-os grandes protagonistas”, resumiu a diretora Geni valda Nemezia de Souza.
As outras escolas envolvidas com o projeto Jovens Empreendedores Primeiros Passos são: Capitão Fuzileiro Eduardo Gomes de Oliveira, Roberto Weguelin, Dulce Trindade, Yolanda Borges, Pedro Paulo da Silva, Bairro Califórnia, Mascarenhas de Moraes e Mauro Castro.

About Marilea